domingo, 24 de fevereiro de 2013

UFPA incentiva parcerias internacionais no Campus de Bragança (Site da UFPA)


Em 2012, 178 estudantes e três professores da Universidade Federal do Pará (UFPA) participaram de programas de intercâmbio internacional, muitos deles visitando países europeus. Para intensificar parcerias com instituições do Velho Continente, a Pró-Reitoria de Relações Internacionais da UFPA (PROINTER) realiza, nos dias 20 e 21, consultoria no campus da universidade sediado em Bragança, município do nordeste paraense. A iniciativa deve ser estendida a outros campi da Universidade, nos próximos meses.

O evento incentiva a cooperação entre pesquisadores da Instituição, avalia as parcerias internacionais já estabelecidas, capacita docentes sobre a produção de projetos para concorrer a editais de fomento lançados pela União Europeia e orienta os professores da UFPA em Bragança sobre editais que possam ser interessantes para cada área de pesquisa mantida no município.

No início da tarde desta quarta-feira, 20 de fevereiro, a consultora Elisa Natola, da Europe for Business, empresa especializada em gestão de projetos, reuniu-se com a coordenadora da Casa de Estudos Luso-Amazônicos da UFPA para discutir possíveis parcerias com institutos, universidades e ONGs localizadas na África, que tenham matriz linguística lusitana.

Logo depois, Elisa Natola e Lindalva Moraes, assessora da PROINTER, visitaram os diversos laboratórios da UFPA sediados no Campus de Bragança para conhecer a infraestrutura disponível na instituição e as linhas de atuação dos docentes do Campus.

“Iremos realizar uma espécie de mapeamento em toda a universidade dos professores, das suas pesquisas, dos parceiros internacionais que já atuam com nossos docentes e das nossas áreas prioritárias a fim de reunir informações que nos permitam nos adiantarmos em relação à produção de projetos e propostas para os editais internacionais e estabelecer, previamente, acordos de cooperação necessários à intensificação da internacionalização da UFPA. Estamos começando esse processo pelo município de Bragança”, explica Lindalva Moraes.

Para a vice-diretora do Campus, Janice Muriel Cunha, a cidade tem potencial para atrair o interesse acadêmico internacional. “Temos uma infraestrutura cada vez melhor equipada, obras em andamento e um corpo docente que tem um histórico de pesquisas especialmente no que se refere aos estudos costeiros, desde a qualidade da água, morfologia e populações de espécies de plantas e animais da região até manifestações culturais, como a Marujada de Bragança. Para nós, é uma oportunidade de ampliar nossas parcerias, ampliar o diálogo acadêmico e melhorar diretamente a infraestrutura, as metodologias e as pesquisas em geral”, acredita.

Elisa Natola também acredita no potencial da região para criar e manter parceiras internacionais. “As visitas desta quarta-feira foram especialmente importantes para entender o perfil da Universidade aqui, seus interesses e prioridades para então indicarmos que pesquisadores, ONGs, universidades e institutos de pesquisa podem ter interesse em estabelecer ou ampliar a parceria com a UFPA de Bragança, além de ajudar a avaliar que editais podem ser mais interessantes para a instituição em suas diversas áreas e, nesta quinta-feira, teremos um encontro mais detalhado com os professores que desejam realizar cooperações e mobilidades internacionais”, anuncia.

Marujada – Na noite desta quarta-feira, 20, a consultora contratada pela UFPA também conversou com pesquisadores do curso de História e com a diretoria da Irmandade da Marujada de São Benedito, festividade cultural e religiosa mantida em Bragança há 215 anos.

Com uma manifestação rica e com traços culturais específicos nas áreas de música, dança e antropológica, a festividade é amplamente estudada por pesquisadores da Universidade Federal do Pará, os quais compartilham com a direção da Marujada a preocupação com a preservação das tradições e com a perpetuação dos saberes tradicionais ligados à manifestação.

Por meio da visita, foram diagnosticadas algumas áreas e ações de pesquisa e de extensão universitária prioritárias em relação à Marujada, o que inclui a busca por editais nacionais e internacionais ligados à divulgação e à preservação da cultura que possam gerar recursos, os quais,  por sua vez, ampliem as ações da Irmandade por meio de oficinas de música, artesanato, confecção de chapéus da marujada e de rabecas e, ainda, projetos ligados aos aspectos cultural, antropológico, musical e social da Marujada.

Texto: Glauce Monteiro – Assessoria de Comunicação da UFPA
Fotos: Alexandre Moraes

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Bento XVI renunciará ao cargo em 28 de fevereiro



Numa decisão que não estava nos planos de parte da comunidade católica mundial, o Papa Bento XVI, 265º da História, chamado Joseph Ratzinger - o primeiro alemão a ser escolhido Papa desde o século XI - comunicou nesta segunda-feira a sua decisão em renunciar ao cargo e à liderança da Igreja Católica Apostólica Romana a partir do dia 28 de fevereiro. Os motivos que alegou o Sumo Pontífice foram a sua idade avançada (85 anos) e que tomou esta decisão pelo bem da própria instituição.
O cargo deverá ser declarado vago e um novo Conclave deve ser convocado, para a eleição de um novo Papa. Bento XVII é o primeiro a renunciar ao cargo na era moderna, em quase 598 anos de história da instituição católica.
Especulações na imprensa italiana e que logo ganharam espaço em sites do mundo inteiro, desde março do ano passado, davam conta dessa possibilidade, pelos mesmos motivos alegados no comunicado de hoje.
A questão de renúncia de um Pontífice tem sido objeto de debate durante muito tempo. O Papa Pio XII preparou uma carta de renúncia no período entre guerras, caso fosse prendido ou levado pelos nazistas, a fim de salvaguardar o cargo.
João XXIII, ao reportar-se ao seu confessor, tomaria essa decisão caso a doença se agravasse. Até o Papa Paulo VI que havia estabelecido a exclusão dos cardeais com mais de 80 anos de um conclave, e a possibilidade de renúncia ao episcopado de bispos com a idade de 75 anos, pensou seriamente em renunciar em 1977, ao completar 80 anos. Esta questão foi bastante discutida com a longa doença do Papa João Paulo II, que inclusive havia preparado uma carta de demissão, à época.
Na História da Igreja vários Papas renunciaram ao trono de Pedro. Clemente I renunciou em 97 d.C., em favor de Evaristo, para assegurar a continuidade do culto cristão. Ponciano, em 235 d.C., para que a Igreja elegesse seu sucessor (o papa Antero), já que estava exilado na Sardenha (Mediterrâneo) juntamente com o antipapa Hipólito, a mando do imperador romano Magno, e que acabaram morrendo logo em seguida. Silvério abdicou da Cátedra de Pedro em 537 d.C., obrigado pela imperatriz Teodora na ilha de Palmaria (Mediterrâneo), e ao retornar a Roma, Teodora já o havia substituído pelo Papa Virgílio, diácono de Silvério. Em 1009, João XVIII abdicou do cargo para viver como monge na Basílica de São Pedro. O Papa Bento IX renunciou em 1045 para satisfazer seu padrinho, João Graciano, que se tornou o papa Gregório VI. Depois de sua morte, João XVIII reassumiu a função, dois anos depois, renunciando novamente ao cargo em 1048.
O último Pontífice a renunciar por vontade própria foi Celestino V, em 1294, após 5 meses de trabalho como papa, com mais de 80 anos, em favor de Bonifácio VIII. O último Papa a deixar o cargo foi Gregório XII, a contragosto e depois de ser deposto pelo Concílio de Pisa, no ano de 1415, aos 90 anos, para por fim às questões do chamado Grande Cisma do Ocidente, encerrando uma disputa com dois rivais (os chamados antipapas, o primeiro em Avignon, na França e o segundo em Pisa, na Itália) à Santa Sé, naquela época.
A renúncia anunciada hoje certamente entrará para a História da instituição e do Cristianismo.

Leia na íntegra o Comunicado de Bento XVI.

“Caríssimos Irmãos, convoquei-vos para este Consistório não só por causa das três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idôneas para exercer adequadamente o ministério petrino.
Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando. Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado.
Por isso, bem consciente da gravidade deste ato, com plena liberdade, declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pela mão dos Cardeais em 19 de Abril de 2005, pelo que, a partir de 28 de Fevereiro de 2013, às 20,00 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro, ficará vacante e deverá ser convocado, por aqueles a quem tal compete, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice.
Caríssimos Irmãos, verdadeiramente de coração vos agradeço por todo o amor e a fadiga com que carregastes comigo o peso do meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos. Agora confiemos a Santa Igreja à solicitude do seu Pastor Supremo, Nosso Senhor Jesus Cristo, e peçamos a Maria, sua Mãe Santíssima, que assista, com a sua bondade materna, os Padres Cardeais na eleição do novo Sumo Pontífice. Pelo que me diz respeito, nomeadamente no futuro, quero servir de todo o coração, com uma vida consagrada à oração, a Santa Igreja de Deus.”

Vaticano, 10 de Fevereiro de 2013.

BENEDICTUS PP XVI"

domingo, 10 de fevereiro de 2013

Parabéns, Papai. Jocelino Nonato da Silva (in memoriam), em 10 de fevereiro...




Em 10 de fevereiro de 1937, nasceu na localidade do Almoço, Montenegro, em Bragança, o pequenino Jocelino Nonato da Silva, nome grafado errado por problemas cartoriais, mas que sempre foi um de seus orgulhos... Não Juscelino, mas Jocelino.
Filho de Raimundo Nonato da Silva e de Raimunda Maria Francisca da Silva, foi o último filho do casal, irmão de 09 irmãos. De estatura mediana, o jovem Jocelino acompanhou a sua família nas lidas da vida. Acontecimento que sempre lembrou com certo pesar foi o falecimento de seu pai, Raimundo, quando ainda tinha 7 anos... exatamente na mesma idade que o perdi.

Quando da mudança da família para a sede de Bragança, ainda na década de 1950, Jucelo – ou Celo - como era chamado por alguns familiares, veio morar com os irmãos e com a mãe em Bragança, ajudando no que foi possível, em casa e com os irmãos. Sempre foi alguém ligada à sua família, em muitos os sentidos. Sua devoção por sua mãe e dela por ele foram marcantes. Disso eu sou testemunha. Veio morar, inclusive ao seu lado, na casa onde moro até hoje.

Como muitos rapazes de sua época, foi criada em moldes bem diferentes dos dias atuais, com bastante respeito por aspectos e tradições familiares que sempre estiveram na sua caminhada familiar.

Estudou no Instituto Santa Teresinha, foi aluno de Dom Eliseu Coroli, na disciplina Matemática, o que contava com emoção, ao se destacar em algumas oportunidades pela perspicácia com os assuntos e exercícios em sala de aula. Não concluiu, no entanto, o ensino de 2º grau. Ele tinha uma personalidade muito forte, de às vezes impressionar pelas reações, isso é fato. Acho que nós, filhos, herdamos alguma coisa desse jeito, cada um com um traço especial e que sabemos, na memória, que é dele, que veio dele e que o imortaliza na nossa caminhada.

Atuou, basicamente no comércio, em firmas comerciais até ter a sua própria, J. Silva Comércio e Transportes, quando passou a transportar cargas e mercadorias, de Bragança para diversos lugares do Pará. Amigos de hoje lembram bastante desses momentos, como Antônio Moreira de Bastos, companheiro de muitos caminhos. Uma coisa sua era o gosto por viagens, por muitas viagens.

Meu pai serviu ao Tiro de Guerra de Bragança e participou de muitas coisas da vida social de Bragança. Claro que teve, como esses amigos e como os rapazes da sua época, uma vida social bastante movimentada, entre os ambientes em que o lazer e a vida boêmia era peculiar. Fez parte de entidades como a Sociedade Esportiva e Cultural Time Negra, do Clube Nove Balões, da Loja Maçônica Conciliação Bragantina, do Lions Clube de Bragança, conhecimento que o alçou, anos mais tarde – e como seu irmão, Edu Nonato da Silva – à vida política.
Conheceu minha Mãe, Socorro Rodrigues, nos idos de 1974, na saída do Instituto Santa Teresinha. Namoraram e ficaram noivos em 30 de maio de 1975, nas Bodas de Prata de meus avós maternos Manoel Baxeira e Joana Rodrigues. Casaram-se na Catedral de Nossa Senhora do Rosário em 06 de dezembro de 1975, abençoados pelo Pe. Luciano Brambilla, seu amigo pessoal. Por ser maçom, sempre carregou certo desapontamento com o amigo sacerdote por não ter tido a oportunidade de comungar em seu matrimônio. Mas, enfim...

Tiveram três filhos, Danilo Augusto, Dário Benedito e Jocelino Filho, único a quem escolheu o nome, sem discussões. Tinha muito orgulho de ter tido três filhos homens, como ele dizia... “melhor do que eu esperava”.
Foi eleito para o mandato legislativo da Câmara Municipal de Bragança, no final da década de 1970, sendo colega de parlamento do próprio irmão, algo bem característico para a época. O tino político de alguns poucos membros era notória à época, como a de sua irmã, Maria Nonato da Silva, a primeira mulher eleita como vereadora de Bragança.
Jocelino era um homem de costumes simples, de sorriso largo, de amizades duradouras – cito o nome do casal Adiel e Zitinha Oliveira – a quem sempre acompanhou com zelo. Uma coisa inesquecível, que ele deixou na nossa memória e a de meus irmãos, era a sua preferência por um sobrinho em especial, entre tantos, Edu Filho – o Edinho – além de Elizabeth Nonato, sua comadre, madrinha de Danilo Augusto. As aventuras com Edinho são homéricas... o seu carinho por ele era bem específico. Um sobrinho e amigo. Claro que por muitos sobrinhos isso era especial, tanto que ajudou as famílias dos irmãos por algum tempo em muitos aspectos. De seus irmãos, aliás, pelo que lembro falando era de ter muita saudade e impressões marcantes sobre a perda de um deles.
Lembro de uma passagem que pra mim é a coisa mais marcante, além dos momentos tristes de sua doença e partida. Quando minha Mãe ia trabalhar à noite, na Escola Professor Paixão, um certo dia, ficamos os quatro reunidos. Papai brincou conosco a noite toda, chegamos a “destruir” a ordem da casa. E ao final, esgotados que estávamos, dormimos os quatro juntos na cama. Quando Mamãe chegou, a cena foi uma trapalhada de risos. Seu carinho, seu cheiro, sua presença, sua abnegação e sua dedicação aos filhos era tal que ia, por muitas vezes, ao Instituto Santa Teresinha nos deixar, pela manhã... e até mesmo “esquecer” por um dia, eu e o Danilo Augusto, na casa das Irmãs Missionárias. Pouco tempo pra ele, mas uma eternidade agoniada para Mamãe.
Os bailes de Carnaval infantil eram momentos em que ele deixava transparecer essa dedicação. Nos arrumamos uma vez, junto com a Vovó Joana, para irmos à sede dos Nove Balões... Papai acompanhou isso tudo e lembro de sua alegria ao participar desse momento conosco.
O único momento que participou da vida escolar de seus filhos – eu e o Danilo Augusto – foi a formatura do Jardim de Infância, no IST, em 1982, coisa que guardo para sempre nos poucos “flashes” de recordação que tenho daquele dia. Uma alegria e uma saudade imensa de ficar no seu colo e até de vê-lo descansar, na rede, ou almoça na cabeceira da mesa... sempre procurando olhar o que comíamos e da forma como agíamos.
Meu Pai não era um pai de repressões ou de sanções, isso ficou a cargo da Mamãe, que disciplinava as coisas. A única coisa que ele fazia era “olhar”... e esse olhar já dizia tudo. Um fato que quase ninguém conhece é que uma carta de Danilo Augusto foi sorteada no programa de tevê do grupo infantil Balão Mágico, em 1983, o que causou uma emoção muito grande em Papai, quando a apresentadora Simony leu o nome. Até hoje, guardamos os LP’s com muito carinho, afinal, meu Pai participou disso tudo. 


Jocelino adoeceu em 1980, de miocardiopatia, que fez com que iniciasse um tratamento desgastante e bastante difícil, que envolveu esforços e recursos, correligionários, familiares e até personalidades políticas. Aqui devo citar meu padrinho Luís Gonzaga da Silveira, os motoristas de Papai (Coelho e Boneco, por exemplo), que foram mais que amigos tão somente. Esteve em vários centros de tratamento cardíaco, como em São Paulo, quando procedeu à investigação das causas de sua doença, sem tanto tratamento à época. Uma sugestão era o transplante de coração, o que não chegou a acontecer.
Falei com meu Pai, pela última vez, na casa da Tia Iolanda, no início de setembro de 1984, em data que não recordo exatamente, dizendo que estava e que ficaria bem. Foi operado para colocação de um marcapasso pelo médico Manoel Maneschy, no antigo Hospital São Marcos, em Belém, no dia 18 de setembro de 1984, a mesma data em que nasceu minha prima Ana Cristina Rodrigues.
Depois de ficar bem, alguns dias, Jocelino faleceu às 8 da manhã, de uma quarta-feira, dia 26 de setembro de 1984, partindo após o café da manhã e sem a oportunidade de ver os filhos crescerem – aliás cabe aqui uma observação... meu Pai queria um filho médico, um engenheiro ou arquiteto e outro militar... tudo bem diferente do que aconteceu.
O sofrimento ainda me faz chorar muito e a sentir, como até hoje, muita saudade dele. Mas não é e nunca será maior do que o brilho dos olhos e a destruir a esperança de que será o meu Pai a me receber, noutra dimensão, em algum tempo. É dele que eu quero o primeiro e mais longo e saudoso abraço quando o meu tempo, aqui, passar.
Meu Pai faria hoje 76 anos...

E aqui está, de maneira resumida, o meu Jocelino, o meu Pai, o meu primeiro amor, o meu herói para sempre, o meu anjo da guarda, o homem da minha vida... Tudo o que fiz, pensei nele... aonde fui, dediquei a ele... ao que fui destinado pela vida, ele esteve junto... Como criança, cheguei a culpar Deus pela partida de meu Pai. Sério... não acreditava ser possível perder alguém tão necessário como o pai da gente.

Mas isso passou. Ele permanece na memória... na lida diária nesses 28 anos de saudades. Nunca mais o meu Dia dos Pais foi igual, claro, obviamente, com a mesma lágrima de saudade e com o mesmo querer. E nada, nem ninguém por mais crível que seja, denodará a imagem do meu Pai... ninguém mesmo, nem aqueles que pugnaram, recentemente, sujar sua memória e transformá-lo no que queriam. Não é possível alterar o passado tanto assim, viu?
Hoje, meu dia é dele! Meu amor sempre, minha gratidão, meu abraço imaginado e tão nosso, minha saudade e minha vida, que é dele e de Mamãe! Eu queria tanto que Você tivesse visto tudo o que me tornei – até os meus limites – e aonde fui, também por Você, mas... vou prestar contas um dia para Você, e riremos juntos...com os nossos abraços, e eu no teu colo, de novo e para sempre.
Aonde estiver, e sei que o encontrarei um dia, Parabéns Papai!
Teu, sempre teu... Dário Benedito Rodrigues, teu filho do meio.