domingo, 24 de fevereiro de 2013

UFPA incentiva parcerias internacionais no Campus de Bragança (Site da UFPA)


Em 2012, 178 estudantes e três professores da Universidade Federal do Pará (UFPA) participaram de programas de intercâmbio internacional, muitos deles visitando países europeus. Para intensificar parcerias com instituições do Velho Continente, a Pró-Reitoria de Relações Internacionais da UFPA (PROINTER) realiza, nos dias 20 e 21, consultoria no campus da universidade sediado em Bragança, município do nordeste paraense. A iniciativa deve ser estendida a outros campi da Universidade, nos próximos meses.

O evento incentiva a cooperação entre pesquisadores da Instituição, avalia as parcerias internacionais já estabelecidas, capacita docentes sobre a produção de projetos para concorrer a editais de fomento lançados pela União Europeia e orienta os professores da UFPA em Bragança sobre editais que possam ser interessantes para cada área de pesquisa mantida no município.

No início da tarde desta quarta-feira, 20 de fevereiro, a consultora Elisa Natola, da Europe for Business, empresa especializada em gestão de projetos, reuniu-se com a coordenadora da Casa de Estudos Luso-Amazônicos da UFPA para discutir possíveis parcerias com institutos, universidades e ONGs localizadas na África, que tenham matriz linguística lusitana.

Logo depois, Elisa Natola e Lindalva Moraes, assessora da PROINTER, visitaram os diversos laboratórios da UFPA sediados no Campus de Bragança para conhecer a infraestrutura disponível na instituição e as linhas de atuação dos docentes do Campus.

“Iremos realizar uma espécie de mapeamento em toda a universidade dos professores, das suas pesquisas, dos parceiros internacionais que já atuam com nossos docentes e das nossas áreas prioritárias a fim de reunir informações que nos permitam nos adiantarmos em relação à produção de projetos e propostas para os editais internacionais e estabelecer, previamente, acordos de cooperação necessários à intensificação da internacionalização da UFPA. Estamos começando esse processo pelo município de Bragança”, explica Lindalva Moraes.

Para a vice-diretora do Campus, Janice Muriel Cunha, a cidade tem potencial para atrair o interesse acadêmico internacional. “Temos uma infraestrutura cada vez melhor equipada, obras em andamento e um corpo docente que tem um histórico de pesquisas especialmente no que se refere aos estudos costeiros, desde a qualidade da água, morfologia e populações de espécies de plantas e animais da região até manifestações culturais, como a Marujada de Bragança. Para nós, é uma oportunidade de ampliar nossas parcerias, ampliar o diálogo acadêmico e melhorar diretamente a infraestrutura, as metodologias e as pesquisas em geral”, acredita.

Elisa Natola também acredita no potencial da região para criar e manter parceiras internacionais. “As visitas desta quarta-feira foram especialmente importantes para entender o perfil da Universidade aqui, seus interesses e prioridades para então indicarmos que pesquisadores, ONGs, universidades e institutos de pesquisa podem ter interesse em estabelecer ou ampliar a parceria com a UFPA de Bragança, além de ajudar a avaliar que editais podem ser mais interessantes para a instituição em suas diversas áreas e, nesta quinta-feira, teremos um encontro mais detalhado com os professores que desejam realizar cooperações e mobilidades internacionais”, anuncia.

Marujada – Na noite desta quarta-feira, 20, a consultora contratada pela UFPA também conversou com pesquisadores do curso de História e com a diretoria da Irmandade da Marujada de São Benedito, festividade cultural e religiosa mantida em Bragança há 215 anos.

Com uma manifestação rica e com traços culturais específicos nas áreas de música, dança e antropológica, a festividade é amplamente estudada por pesquisadores da Universidade Federal do Pará, os quais compartilham com a direção da Marujada a preocupação com a preservação das tradições e com a perpetuação dos saberes tradicionais ligados à manifestação.

Por meio da visita, foram diagnosticadas algumas áreas e ações de pesquisa e de extensão universitária prioritárias em relação à Marujada, o que inclui a busca por editais nacionais e internacionais ligados à divulgação e à preservação da cultura que possam gerar recursos, os quais,  por sua vez, ampliem as ações da Irmandade por meio de oficinas de música, artesanato, confecção de chapéus da marujada e de rabecas e, ainda, projetos ligados aos aspectos cultural, antropológico, musical e social da Marujada.

Texto: Glauce Monteiro – Assessoria de Comunicação da UFPA
Fotos: Alexandre Moraes

Nenhum comentário:

Postar um comentário