sábado, 29 de setembro de 2012

Respeito... uma contribuição.



Amigos e amigas, gostaria de compartilhar um sentimento que agora me ocorreu. O real significado da palavra RESPEITO. Essa postagem se dá no contexto em que estamos vivendo, de diversos cenários políticos e ideológicos que nos apresentam, tanto na vida comunitária como na vida social, em Bragança ou em qualquer lugar.
Acredito que essa palavra e seu significado envolvem uma gama de sentimentos mútuos e em constante construção. Passo a "elencar" alguns deles e aguardo entendimento acerca desses fatores. Não são opiniões "absolutizadas" por nenhum tipo de excitação intelectual, são apenas opiniões baseadas naquilo que já vi da/na vida, em 30 e poucos anos, daquilo que experimento na lida diária, profissional e institucional.
1.      Respeitar é viver bem com todos, sem deixar de ser o que se é; não querendo ser diferente de ninguém, mas não sendo igual a qualquer um. É também comportar-se civilizadamente, com postura de igualdade, mesmo quando seja necessário algum posicionamento radical, nunca sistematicamente em oposição a quem quer que seja, mas fruto de debate, de construção, de relacionamento com o mundo. Entender que somos diferentes, com meios de vida diferente, com diferentes condições de vida, com diferentes histórias, com diferentes recursos. E que se você tem esse ou qualquer outra posição, isso não é prejuízo ou privilégio, mas daquilo que você é, construiu, aprendeu, compartilhou, decidiu, escolheu, afinal... viveu.
2.      Respeitar é tratar com equilíbrio quem às vezes desconhece o próprio sentido do termo. É saber que o ser humano é construído, pensado, formado (ou qualquer verbo que o caiba!) de acordo com a sua história de vida, com a sua trajetória, com as suas opções/escolhas e que não é possível existir um só prisma de condução e visão da/na vida, mas um conjunto de formas de absorvê-la... e que talvez a minha forma não seja igual à sua e que nem por isso devo entendê-la como algo a ser desconsiderado por ser diferente.
3.      Respeitar é falar sempre o que pensa, aberto/a a receber a opinião contraditória ou diferente da que se manifesta. E não criar verdades frágeis, monocromáticas, esdrúxulas, fruto de um só balizamento ideológico, depositando em uma só versão/visão de mundo toda a confiança em prejuízo da opinião, verdade e versão de outrem.
4.      Respeitar é defender o direito do outro de ter uma opinião contraditória e manifestar-se conscientemente da responsabilidade de tê-la, sem condutas veladas, discursos de bastidores, mexericos, intrigas, fuxicos, "disse-me-disse", silenciamento do outro, assédio moral, desconsideração e descrédito do outro.
5.      Respeitar é avaliar que todos somos seres humanos e que a diferença existente não é motivo de desunião, mas de diversidade, considerando todos como detentores da mesma condição humana, independentemente de qualquer vinculação social, política, ideológica, cultural, religiosa, partidária, sexual e/ou de qualquer tipo.
6.      Respeitar é fazer análises e construir pensamentos de forma ponderada (mesmo os pensamentos mais radicais) e permitir o contraditório, sem a construção de verdades absolutas (“absolutizadas” ou “absolutizantes”).
7.      Respeitar é ver no outro (individual e coletivamente) alguém dotado da mesma capacidade de análise, de valoração de uma opinião, de validação de uma postura, de aceitação ou não desse ou daquele discurso, dessa ou daquela ideologia, dessa ou daquela compreensão da vida e de tudo o quanto nos envolve como seres vivos.
8.      Respeitar é tratar a todos com igualdade, e possivelmente com gentileza, urbanidade e caráter, sem falsear palavras, sem ferir suscetibilidades, sem ofender quem é diferente, sem escamotear realidades construídas apenas por uma visão de mundo e de sociedade, sem estupidez rancorosa ou oposição gratuita e sistemática a quem quer se seja.
9.      Respeitar é, no mínimo, sentir-se parte do mundo, estar no mesmo mundo em que respiram os demais seres humanos (não alienígenas!) e os seres vivos em geral e não julgar-se superior a esta ou aquela opinião só pelo fato de ocupar este ou outro lugar de destaque. Isso tudo, com o mesmo cuidado de quem, com a mesma rapidez que veio ao mundo, pode sair dele... aliás, até de maneira mais rápida e/ou cruelmente.
10.   Respeitar, talvez seja tudo isso que expus, mas também é aquilo em que não acredito, não aceito, não vivo, não consigo imaginar ou conceber, não concordo ou participo, não expresso, defendo ou compartilho, mas que de toda e qualquer maneira, eu RESPEITO.
 
Pensemos nisso...
Prof. Dário Benedito Rodrigues (em Bragança, no Pará, 18.09.2012, 21h31)

Adeus, Hebe Camargo (*08.03.1929, +29.09.2012)



Descanse em paz, Hebe Camargo.
Obrigado por sua alegria contagiante e amor à Vida.
Leia mais sobre Hebe Camargo, na Wikipédia em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Hebe_Camargo

sábado, 22 de setembro de 2012

Festividade de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em Bragança/PA - Programação de 22 a 30 de setembro de 2012



A comunidade paroquial de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, célula da Igreja particular da Diocese de Bragança vem realizando há muitos anos a festa de sua padroeira, sempre congregando milhares de fieis em torno da devoção mariana e em louvor a Jesus.
Com o apoio de diversos parceiros, entre entidades e representantes civis da comunidade, tem realizado anualmente a Festa de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, sendo neste ano de 2012, a edição que celebrará os 35 anos de fundação da Paróquia, antes apenas uma comunidade eclesial organizada pelos Padres Barnabitas a partir da religiosidade local em 1959.
Durante o período de comemoração da festividade alusiva à padroeira, que compreenderão os dias de 22 a 30 de setembro do corrente ano, as comunidades envolvidas estarão celebrando conjuntamente, através de diversos atos religiosos e festivos, mais um ano de reconhecida intercessão e ajuda atribuída a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Programação (22 a 30 de setembro de 2012)

22 de setembro de 2012
05h30: Terço e Romaria, saindo da Capela Nossa Senhora de Nazaré para o Santuário, com Santa Missa na chegada.
19h: Santa Missa no Santuário.
20h: Bingo da Festividade 2012.

23 de setembro de 2012
07h: Santa Missa no Santuário.
16h: Romaria das Crianças, saindo da Capela da Comunidade Dom Eliseu e Santa Missa no Santuário.
18h: Novena a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
19h: Santa Missa no Santuário.

24 de setembro de 2012
05h30: Terço e Romaria, saindo da Capela São Lucas para o Santuário, com Santa Missa na chegada.
09h: Homenagens a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, pela Escola Padre Paulino Brambilla, Escola Zacarias Corrêa e Escola América Lobão, no Santuário.
19h: Novena com Santa Missa no Santuário.

25 de setembro de 2012
05h30: Terço e Romaria saindo da Capela Santo Antônio para o Santuário, com Santa Missa na chegada.
09h: Homenagens a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, pela Escola Jorge Ramos, Escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e Escola Pingo de Gente.
16h30: Missa e Novena de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.
19h: Novena com Santa Missa no Santuário.

26 de setembro de 2012 – Dia da Ação Social
05h30: Terço e Romaria saindo da Capela de Nossa Senhora dos Espinhos Assunta para o Santuário, com Santa Missa na chegada.
09h: Homenagens a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro pela Escola Leandro Lobão e Escola Mário Queiroz do Rosário.
19h: Novena com Santa Missa no Santuário.

27 de setembro de 2012
05h30m - Terço e Romaria saindo da Capela de São João Batista para o Santuário, com Santa Missa na chegada.
09h: Homenagens a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro pela Escola Cristiano José de Medeiros Rosa e Escola Aluízio Ferreira.
19h: Novena com Santa Missa no Santuário.

28 de setembro de 2012
05h30: Terço e Romaria saindo da Capela de São José para o Santuário, com Santa Missa na chegada.
09h: Homenagens a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, pela Escola Padre Luiz Gonzaga e Escola Bolívar Bordallo da Silva.
17h30: Concentração na AABB (Associação Atlética Banco do Brasil) com Romaria das Comunidades do Interior para o Santuário.
19h: Novena com Santa Missa no Santuário.

29 de setembro de 2012
05h30: Terço e Romaria saindo da Capela de Santa Luzia para o Santuário, com Santa Missa na chegada.
09h: Santa Missa para Idosos e Enfermos no Santuário.
15h: Animação e afervoramento da Juventude na Catedral de Nossa Senhora do Rosário.
18h: Romaria da Juventude, saindo da Catedral de Nossa Senhora do Rosário para o Santuário.
19h: Santa Missa para a Juventude, no Santuário.

30 de setembro de 2012
06h30: Novena
07h: Santa Missa com o Apostolado da Oração
09h: Batizados
11h: Almoço e Leilão no Salão de Eventos Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.
17h30: Solene Procissão com a Imagem de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.
Itinerário: Santuário de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Avenida Nazeazeno Ferreira, Travessa Enéas Pinheiro, Avenida Marechal Floriano Peixoto, Travessa Dom Miguel Maria Giambelli, Avenida Nazeazeno Ferreira retornando ao Santuário.
19h: Santa Missa de Encerramento da Festividade 2012 com apresentação dos Juízes da Festividade 2013.
23h: Show de fogos de artifício

Observações: Durante toda a semana da Festividade, após a Santa Missa das 19h, haverá shows religiosos e culturais no Salão de Eventos Nossa Senhora do Perpétuo Socorro com jantar.

Coordenação da Festividade 2012
Diretor Espiritual: Padre Benedito Moura da Cruz
Juiz da Festa: Dário Benedito Rodrigues Nonato da Silva
Juíza da Festa: Élida Joane Fonseca Ferreira
Coordenação Geral: Jorge e Sônia Martins

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Banda da Escola Luiz Paulino Mártires conquista o Vice-Campeonato no IV Concurso de Fanfarras e Bandas em Marituba/PA



Minhas congratulações à Banda Fanfarra da Escola Estadual Luiz Paulino Mártires, pela conquista do 2º Lugar no IV Concurso de Bandas e Fanfarras da cidade de Marituba/PA, na categoria Fanfarra Simples Tradicional, resultado recebido ontem, após nova conferição da pontuação pelos Juízes.

Pequeno histórico da Banda LUPAMA – a Banda Fanfarra da Escola Luiz Paulino Mártires foi criada em 1981, pelo Prof. Jacques Lafaiete Braun Sarmento e compõe uma parte significativa do patrimônio histórico da Escola, única instituição escolar a participar de todos os desfiles na Semana da Pátria desde que foi fundada em 07 de abril de 1969, com o nome Ginásio Estadual Luiz Paulino Mártires. Inúmeros títulos intermunicipais e regionais fazem parte da história dessa agremiação musical escolar desde então. Diversos alunos, professores, músicos, instrumentistas e instrutores de Bragança já passaram pela história da banda e que fazem parte de outras agremiações.

O concurso – Realizado em dois dias, o IV CONFABAM 2012 dividiu as bandas e fanfarras inscritas nas seguintes categorias:
1) Banda de Percussão Marcial, com 04 (quatro) concorrentes;
2) Fanfarra Simples tradicional em SibMol, com 05 (cinco) concorrentes;
3) Fanfarra Simples tradicional em Tonalidades, com 19 (dezenove) concorrentes;
4) Banda Marcial com 08 (oito) concorrentes e
5) Banda Musical de Marcha, com 09 (nove) concorrentes.

O concurso de caráter intermunicipal foi realizado nos dias 15 e 16 de setembro de 2012, organizado pela Secretaria Municipal de Desporto e Lazer (SECDEL) de Marituba/PA e teve uma das melhores estruturas para certames dessa natureza no Estado, inclusive premiando com valores em dinheiro as bandas e fanfarras campeãs de cada categoria técnica.
As bandas de Bragança inscritas foram a Banda Fanfarra Municipal (FANMU), Banda Fanfarra LUPAMA (ambas na categoria Fanfarra Simples Tradicional) e Instituto Aurimar Monteiro Araújo (na categoria Banda Musical de Marcha).


Saudações à equipe gestora da Escola Luiz Paulino Mártires, em nome da sua Diretora, a Professora Valdelice Canindé e a todos os coordenadores e apoiadores da Banda Fanfarra LUPAMA. Desse coração que pulsa LPM, no Taíra, em Bragança, hoje e para sempre.
Fotos: Facebook de Andreza Mikaely e de acervo pessoal (2012).

sábado, 8 de setembro de 2012

Saudades de Maria Lúcia Medeiros *15.02.1942, +08.09.2005



Traços biográficos
 Maria Lúcia Fernandes de Medeiros, Maria Lúcia ou simplesmente Lucinha, nasceu em Bragança, em 15 de fevereiro de 1942. Apaixonada por sua terra natal, morou em Bragança até os 12 anos, quando se mudou com parte da família para Belém, onde graduou-se em Licenciatura Plena em Letras, pela Universidade Federal do Pará, aonde atuou como pesquisadora e docente. Sempre que podia, visitava seus conterrâneos e distribuía carinho e conversas à tarde com seus amigos.
Foi a primeira professora de Redação e de Literatura Infanto-juvenil, disciplina que ajudou a inserir no desenho curricular do Curso de Letras da Universidade Federal do Pará, à época. Era também uma grande colaboradora da Universidade da Amazônia (UNAMA) em Belém, envolvida em projetos e palestras, chegando a publicar textos de sua autoria na revista da UNAMA intitulada Asas da Palavra, desde 1995.
Sobre Bragança, Maria Lúcia deixa uma pista em seu depoimento no documentário intitulado A Escritura Veloz, de Mariano Klautau Filho (produção independente, em VHS, de 1994):
“Eu nasci em Bragança, uma cidade simples do interior, com um trem de ferro e um rio na frente. Tive, portanto, uma infância bem brasileira: quintal, primos, frutas, tios, igreja, cinema Olympia. Em Belém já cheguei quase adolescente e meus fantasmas viviam sob as mangueiras, nas ruas largas, na arquitetura imponente de uma cidade de 250 mil habitantes que era Belém dos anos 50.
Quando descobri os livros, descobri um outro jeito de viver. Personagens, situações, lugares ajudavam meu aprendizado do mundo. Ler para mim sempre foi uma salvação. Agora, escrever, acho que sempre escrevi. Lembro que muito menina eu me recolhia e escrevia, escrevia para mim”.

Imagem 1: Maria Lúcia Medeiros, em outubro de 2002. Acervo pessoal.

A escritora, a pesquisadora, a professora e a bragantina
 Com sua seriedade foi uma escritora de excelente produção literária, além da função de professora e poeta. Reconhecida como uma das maiores contistas paraenses. Tornou-se um dos mais importantes ícones literários do Pará.
Seus livros falam de sentimentos, entre eles a angústia e a solidão, com destaque para o viés emocional e da personalidade da escritora bragantina e são ambientados numa época chamada por ela de “modernidade”. Um exemplo disso é o livro Horizonte Silencioso, em que se destaca uma linguagem de enorme nostalgia, quando Maria Lúcia abordava a mudança do tempo, aspectos de sua infância e adolescência.
Seus textos eram fortes e quase autobiográficos. Sua escrita marcante era facilmente descoberta por seus leitores e admiradores da sua obra. Entre seus livros mais lidos estão os contos em Velas por quem? e Zeus ou a Menina e os Óculos.

Imagem 2: Capa de Zeus ou a Menina e os Óculos, livro de Maria Lúcia Medeiros, com arte de Valdir Sarubi. Acervo pessoal.

Em sua atuação como professora, ajudou a realizar o processo de registro e de tombamento em nível de Estado da Residência da família Medeiros, situada em Bragança, local onde ela costumava se hospedar nas suas visitas à terra natal.
Alguns de seus livros já foram listados entre as leituras obrigatórias de processos seletivos da UFPA, assim como em salas de aulas do Ensino Médio por todo o Estado. Lucinha também ajudou a fundar a Casa da Linguagem, sendo uma de suas consultoras.
Foi homenageada na Feira Pan-Amazônica do Livro no ano de 2004, com um sarau intitulado “O elemento fabuloso da narrativa de Maria Lúcia Medeiros”. No mesmo evento, o curta-metragem Chuvas e Trovoadas, filme baseado na obra homônima de Lucinha foi apresentado, sob a direção de Flávia Alfinito. No filme ambientando em Belém, quatro moças são estudantes de corte e costura em algumas tardes do período da Belle-Époque amazônica.
A película de Flávia Alfinito, produzida de forma independente, conta com a narração do ator José Mayer e a participação das atrizes Patrícia França, Suzana Faine, Andréia Rezende, Andreia Paiva e Francis, recebendo o prêmio de Melhor Fotografia no Festival de Gramado, principal premiação do cinema brasileiro, em 1995.
O último texto escrito por Maria Lúcia Medeiros, na Ilha de Mosqueiro, em abril de 2005, tinha como título Don Quixote veio de trem, momento em que ela já estava bastante doente e com boa parte de seus movimentos comprometidos (clique aqui para ler o texto).
Em suas passagens por Bragança, sempre visitava amigos e conversava com seus contemporâneos, além de participar de eventos. Entre esses eventos, participou da VII Feira de Ciências da EEEFM Bolívar Bordallo da Silva, acompanhada da Prof.ª Mariana Bordallo, mantendo contato com professores e alunos daquele estabelecimento de ensino, em especial, no Projeto Revivendo Bragança.

Imagem 3, 4 e 5: Alunos e professores durante a apresentação do projeto Revivendo Bragança, na VII Feira das Ciências da EEEFM Bolívar Bordallo da Silva, em outubro de 2002. Acervo pessoal.

A apresentação do projeto foi orientada e coordenada pelos professores de História Dário Benedito Rodrigues e Conceição Ribeiro e a participação de 24 alunos do 2º ano do Ensino Médio (Turmas N, O, P, Q e R) do 2º turno da escola. Maria Lúcia ficou bastante emocionada com tudo o que viu e chegou a fazer uma linda homenagem, dias depois, aos alunos e professores do referido projeto no Encontro Bragantino de Estudantes de Letras.

Morte
Maria Lúcia Medeiros foi acometida por uma doença degenerativa conhecida como esclerose lateral amiotrófica, por alguns anos antes de seu falecimento, que paralisou gradativamente seus movimentos, impedindo-a de falar e se expressar, mesmo mantendo a lucidez, o que lhe causou uma situação de séria debilidade. Internada por mais de trinta dias, faleceu às 15 horas de 08 de setembro de 2005, uma quinta-feira, em Belém, aos 63 anos. Deixou 3 filhos.
Seu velório aconteceu no Núcleo de Artes da UFPA, na Praça da República. Seu corpo foi cremado no cemitério Max Domini, no dia 08 de setembro e no dia 11 do mesmo mês, seus familiares depositaram suas cinzas pela Ilha de Mosqueiro, região metropolitana de Belém, um dos lugares prediletos da escritora.
Foi uma das escritoras paraenses homenageadas pelo Instituto de Artes do Pará na edição do Prêmio IAP de Artes Literárias de 2011, na categoria Contos.

Algumas obras de Maria Lúcia Medeiros
Zeus ou a menina e os óculos. São Paulo: R. Kempf, 1988.
Velas, por quem? Belém: CEJUP, 1991.
O Lugar da errância. In: D’INCAO, Maria Angela, SILVEIRA, Isolda Maciel da (Org.). A Amazônia e a crise da modernização. Belém: MPEG, 1994.
Quarto de hora. Belém: Cejup, 1994.
Horizonte silencioso. Boi Tempo, 2000.
Céu Caótico. Belém: SECULT, 2005.

Observações importantes: A reprodução total e/ou parcial dos textos e imagens contidos nessa postagem devem ter a autorização expressa do autor do blog. O não cumprimento dessa premissa está sujeito às penalidades da legislação em vigor.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Programação do dia 07 de setembro de 2012 - 44ª Semana da Pátria



Programação do dia 07 de setembro de 2012
6h – Missa em Ação de Graças no Instituto Santa Teresinha
8h – Hasteamento dos Pavilhões Nacional, Estadual e Municipal
      - Autoridades Municipais
      - Coordenação da Semana da Pátria

08h15 – Revista às trpopas
      - Prefeito Municipal de Bragança
      - Comandante da Polícia Militar
      - Instrutor do Tiro de Guerra
      - Comandante do Subgrupamento de Bombeiros Militar
      - Comandante da Guarda Municipal
      - Delegado da Junta de Serviço Militar

08h30 - Desfile Oficial da Semana da Pátria

Ordem do Desfile
01.   Tiro de Guerra 08/002
02.   5ª Companhia Independente de Polícia Militar e PROERD
03.   12º Subgrupamento do Corpo de Bombeiros Militar de Bragança
04.   Guarda Municipal de Bragança e Guarda Jovem
05.   Departamento Municipal de Trânsito (DEMUTRAN)
06.   Grupo de Escoteiros Sebastião Pereira 85-PA
07.   35ª Região de Desbravadores
08.   Associação de Pais e Amigos de Excepcionais de Bragança (APAE)
09.   Lions Clube de Bragança
10.   LEO Clube de Bragança
11.   SENAI – Centro de Educação Profissional de Bragança
12.   Secretaria Municipal de Trabalho e Promoção Social (SEMTRAPS)
13.   EMEF Dr. Jorge Daniel de Sousa Ramos
14.   Instituto Aurimar Monteiro de Araújo (Instituto AMA)
15.   EMEF Prof.ª Theodomira Raimunda da Silva Lima
16.   EMEF Prof.ª Maria José dos Santos Martins (Maricotinha)
17.   EMEF Cristiano José de Medeiros Rosa
18.   EMEF Júlia Quadros Peinado
19.   EMEF Simpliciano Fernandes de Medeiros Júnior
20.   EAM Dr. Edgar de Souza Cordeiro
21.   EEEFM Padre Luiz Gonzaga
22.   EEEFM Luiz Paulino Mártires
23.   EEEFM Rio Caeté
24.   Jeep Club de Bragança
25.   Clube do Fusca

18h – Arreamento dos Pavilhões Nacional, Estadual e Municipal
      - Retorno do Fogo Simbólico ao Tiro de Guerra
      - Participação do Corpo de Bombeiros
      - Participação da Guarda Municipal