sexta-feira, 30 de março de 2012

Hora do Planeta 2012 acontece neste dia 31 de março

Um dia – contagem regressiva para Hora do Planeta

30 Março 2012

Hora do Planeta bateu novos recordes: 147 países e mais de 5 mil cidades apagarão as luzes amanhã. No Brasil, até o momento são 125 cidades, das quais 24 capitais.

A um dia da Hora do Planeta, 147 países estão se preparando para apagar as luzes. No Brasil, 24, das 26 capitais estaduais, vão participar do movimento que se espalhou por todas as regiões do país, com três estreantes: Porto Velho/RO, Macapá/AP e Boa Vista/RR . Serão 546 monumentos apagados em 125 cidades.

No Rio de Janeiro, cidade oficial do movimento no Brasil, as luzes do Cristo Redentor, da orla de Copacana, dos Arcos da Lapa e muitos outros símbolos serão apagadas às 20h30. O evento, organizado pelo WWF-Brasil, acontecerá no Arpoador a partir das 17h, com oficinas, exibição de vídeos, música e apresentações de dança e circo.

Além disso, em cada cidade, as prefeituras, organizações, empresas e até mesmo os cidadãos engajados estão preparando sua programação. Da pedalada ao jantar à luz de velas são muitas as opções e todo mundo pode participar, desligando suas luzes neste ato simbólico contra o aquecimento global e os problemas ambientais que a humanidade enfrenta.

Neste ano de 2012, a Hora do Planeta no Brasil é patrocinada pela TIM e o Pão de Açúcar, e busca mostrar ao mundo que nós, brasileiros, anfitriões da Conferência Rio + 20, queremos um futuro sustentável: com um desenvolvimento econômico que respeite os limites do planeta e gere inclusão social.

“É muito bom ver que o Brasil está engajado e aderindo à Hora do Planeta. Ter quase todas as capitais é bastante significativo de que o país está atento à necessidade de agir para enfrentar os problemas ambientais. Por isso, também convidamos todos esses participantes a irem ‘Além da Hora’ e colocarem em prática ações mais sustentáveis em suas cidades, empresas e casas”, afirmou Regina Cavini, superintendente de Comunicação e Engajamento do WWF-Brasil.

No mundo:

Lançada em 2007 na Austrália, a Hora do Planeta chega mais longe a cada ano. 147 países participarão do movimento este ano — em 2011 foram 135 —, que será registrado do espaço pelo astronauta e embaixador do WWF, André Kuipers.

Centenas de monumentos em mais de 5 mil cidades e vilas vão ficar no escuro no sábado, hora local. Entre os países que participam pela primeira vez estão a Líbia, Argélia e Butão.

Entre os monumentos que terão suas luzes desligadas destacam-se: a Torre de Tóquio, a Grande Muralha da China, o Estádio Nacional de Pequim (Ninho de Pássaro), o Museu da Líbia , Biblioteca Nacional da Bielorrússia, a Torre Eiffel, o Louvre, Portão de Brandenburgo, a Torre de Pisa, a cúpula da Basílica de São Pedro no Vaticano, Palácio de Buckingham, a Tower Bridge, Casas do Reino Unido do Parlamento , Big Ben, Cristo Redentor, Times Square, o Empire State Building, a sede da ONU e muito mais.

Não fique de fora:

Participe da Hora do Planeta; acompanhe as luzes se apagando no mundo inteiro e apague as suas às 20h30. Aproveite este momento para refletir sobre como você pode mudar seu estilo de vida para ser mais sustentável.

No sábado, dia 31 de março de 2012, das 20h30 às 21h30, estaremos todos juntos nesse ato simbólico em prol da nossa vida no planeta.

Fonte: WWF Brasil.

Link: http://www.wwf.org.br

terça-feira, 27 de março de 2012

Dança da Galera! Bragança estará no Domingão do Faustão (TV Globo) representando toda a região Norte!

O Dança da Galera é o novo quadro do Domingão do Faustão. Seis cidades do Brasil foram escolhidas para participar e Bragança é uma delas. A Pérola do Caeté vai representar toda a região Norte. É o Pará na Globo!

Como funciona?

Os moradores se inscrevem e participam de uma dança coletiva, igual aquelas que acontecem nas aberturas de grandes eventos como a Copa do Mundo, e, juntos, fazem uma coreografia. Quanto mais gente, melhor: o espetáculo fica mais bonito e as chances da cidade aumentam. Não é necessário ser dançarino, todo mundo pode fazer parte. Só precisa ter mais de 12 anos e vontade de ajudar Bragança!

Por que participar?

A dança da galera de Bragança será apresentada no Domingão do Faustão. Cada cidade concorre com uma outra localidade. Quem vai eleger o ganhador é o povo, votando pela internet e o telefone. Quem vencer vai ganhar um projeto na área de educação.

Como participar?

Participar é simples e divertido: é só ir até o local da inscrição com um documento de identidade e se preparar para os ensaios e o dia da grande apresentação. Aí é todo mundo junto fazendo bonito por Bragança.

Inscrições:

Local: Secretaria de Cultura e Turismo, na Praça das Bandeiras.

Horário: das 10 às 20 horas.

Um abraço e até lá!

Equipe de produção da Dança da Galera.

Fonte e Imagem: Release da Produção e Equipe SETUR/Bragança

I Congresso Pan-Amazônico e VII Encontro da Região Norte de História Oral

O I Congresso Pan-Amazônico e VII Encontro da Região Norte de História Oral, História do Tempo Presente & Oralidades na Amazônia, pretende consolidar a importância das fontes orais para os estudos na Amazônia, sendo um espaço de diálogo e formação de professores, pesquisadores e estudantes de graduação e pós-graduação, estreitando parcerias e incrementando colaborações entre pesquisadores do Brasil e países vizinhos.

Os encontros de História Oral da Região Norte são eventos organizados, desde 1997, pela Associação Brasileira de História Oral (ABHO/Regional Norte). Nesta edição, os seus objetivos foram ampliados à meta de conseguir a participação nas reflexões, a respeito do uso de fontes orais nas áreas das Ciências Humanas e Sociais de pesquisadores de outros países de América do Sul com área de fronteira na região amazônica com o Brasil. O evento, que conta com o apoio da Capes e da UFPA, será realizado no Campus de Belém da Universidade Federal do Pará, nos dias 27 a 30 de Março de 2012.

Fonte: Blog da Prof.ª Edilza Fontes http://edilzafontes.blogspot.com.br

domingo, 25 de março de 2012

LEO Clube de Bragança é destacado na Revista The Lion

O LEO Clube de Bragança, do Distrito LEO LA-6, foi destaque na página dos LEO Clubes na Revista The Lion, edição em português, n.º 284, dos meses de novembro/dezembro 2011, pelo trabalho desenvolvido na Semana do Dia da Árvore, quando atuou na Escola Municipal de Educação Infantil Simpliciano Medeiros Júnior e na recuperação da arborização do Complexo Prof.ª Rosa Blanco, no bairro da Aldeia. Todas as ações tiveram o apoio da SEMED (Secretaria Municipal de Educação) e da SEMMA (Secretaria Municipal de Meio Ambiente), além da valiosa colaboração da Sra. Ângela Begot, atual titular da SEMMA.

Congratulações ao LEO Clube pelo trabalho! Ao lado a matéria divulgada na página dos LEO Clubes, com destaque às ações de Educação e Meio Ambiente e outros trabalhos.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Muito obrigado à Sociedade Beneficente Artística Bragantina pela concessão do Título de Honra ao Mérito

Agradeço o Título de Honra ao Mérito que me foi concedido pela Sociedade Beneficente Artística Bragantina por ocasião da inauguração de seu Memorial Histórico no dia 16 de março passado, um relevante serviço de disponibilizar à sociedade bragantina o seu acervo, suas peças raras e seu vastíssimo registro documental.

Iniciativas como essa dão importância e valorização à História de Bragança, tão dilapidada e por vezes devastada por obra e graça do tempo e do descaso de alguns. São desses exemplos que muitos dos nossos governantes precisam para se espelhar e aprender que precisamos dar realce e destaque à memória de uma sociedade, de um povo, seus costumes, valores e sua tradição.

Esta entidade que conta com 120 anos se destaca em Bragança, como poucas instituições, a zelar pela assistência funerária e social de seus filiados. Não pude estar presente por motivo de viagem, mas gravei um vídeo onde narrei, de forma rápida, o contexto em que ela foi fundada e as peculiaridades acerca da História da Morte.

Agradeço ao amigo Sr. Wilson Nazaré Costa pela lembrança de meu nome e à sua família Ribeiro Costa pela confiança no meu trabalho, assim como a meu querido tio Benedito Lázaro Rodrigues por ter recebido em meu nome o título.

Um abraço e votos de prosperidade à Sociedade Beneficente Artística Bragantina.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Viva João Paulo Rodrigues, nosso especialíssimo, nesse Dia Internacional da Síndrome de Down

Hoje, Dia Internacional da Síndrome de Down, homenageio com muito orgulho, meu primo especialíssimo, João Paulo Rodrigues, filho do meu tio Paulo Roberto e da tia Socorro de Jesus Rodrigues, um presente especial que nos foi dado por Deus no dia 15 de julho de 2007 e a quem devotamos muito amor e carinho.
Em nome dele e por ele, homenageio a todos e todas as pessoas com Síndrome de Down, daqui de Bragança e de qualquer lugar, compartilhando da sua luta por um mundo onde a diversidade e a especialidade de cada um e de cada uma sejam somente diferenças, ou seja, sirvam como a riqueza que nos é oferecida para crer numa sociedade mais próxima da igualdade de oportunidas, direitos e cidadania.
A Síndrome de Down se caracteriza por uma alteração genética produzida pela presença de um cromossomo a mais no par 21. Atualmente, com os avanços da medicina a expectativa de vida das pessoas com a síndrome subiu de 15 anos (em 1947) para 70 anos. Com todas as peculiaridades e distúrbios que possam ocorrer com estas pessoas, entre as dificuldades próprias de algumas de suas limitações e características, são pessoas iguais a qualquer outra, com os mesmos direitos e com as mesmas chances de viver numa sociedade que as receba, como nós, que recebemos João Paulo, pois temos o dom de sermos uma família especial, também como muitas.
Beijo no João Paulo e abraços a seus pais, Paulo e Socorro.
Do primo, ainda buscando ser tão especial quanto você, Dário Benedito Rodrigues

segunda-feira, 19 de março de 2012

Em 19 de março de 1955 era inaugurado o Hospital Santo Antônio Maria Zaccaria

Em Bragança, até o ano de 1944 não havia nenhuma maternidade ou hospital na cidade.

Em 1945, o coronel Aluízio Ferreira acompanhado do então prefeito, Joaquim Lobão da Silveira, propuseram a dom Eliseu Maria Coroli a criação de uma maternidade a ser construída com auxílios particulares e do Governo ficando, a mesma, de propriedade da então Prelazia do Guamá.

Com a aceitação do bispo, Aluízio Ferreira doou o terreno e encaminhou a dom Eliseu cem mil cruzeiros, mil sacas de cimento para a construção e comprometeu-se a angariar outras ofertas para a obra.

No início do ano de 1946, o bispo remeteu ao Departamento Nacional da Criança, o projeto da maternidade para aprovação e visando conseguir algum auxílio. No dia do aniversário do presidente da República à época, general Eurico Gaspar Dutra, em 18 de maio de 1946, foi lançada a pedra fundamental da maternidade em homenagem a esse chefe de Estado.

Já em 1948, após reunião com os padres consultores da Prelazia, dom Eliseu explicou que a construção da maternidade seria gradativa, conforme a obtenção de verbas e que o já deputado federal Aluízio Ferreira insistia para que a Prelazia também se encarregue da construção de um hospital. Para isso, o político pleiteou junto ao Governo recursos no orçamento federal para a sua realização.

Dom Eliseu escreveu então um ofício ao Ministério da Educação e Saúde, confirmando o compromisso de construir em Bragança um hospital com vinte e oito leitos, segundo o que recomendava o ministério, porém com o auxílio anteriormente ofertado pelo Governo Federal. Ainda nesse mesmo ano, o contrato para liberação de recursos e construção do prédio foi assinado por Aluízio Ferreira, no ministério, de acordo com o que ele mesmo solicitou.

A Prelazia se comprometeu em prestar contas da aplicação da verba recebida com a apresentação regular de relatórios e documentos. Em janeiro de 1952, as obras foram paralisadas devido ao corte de parte dos auxílios federais referentes ao ano anterior.

Mediante a crise econômica vigente, os padres consultores concordaram em colocar em funcionamento os dois prédios destinados à área de saúde sob os cuidados das recém organizadas Irmãs Missionárias de Santa Teresinha, de forma provisória, sem contrato ou pagamento algum.

Em julho de 1952, dom Eliseu enviou a Belém para treinamento de enfermagem as irmãs Ângela Rigamonti (prima de dom Miguel Maria Giambelli), Amélia Torres e a postulante Antônia Albuquerque. Em seu retorno, em outubro de 1952 e mesmo precariamente, iniciaram os trabalhos da Maternidade Nossa Senhora da Divina Providência, com a parturiente Jarina Fonseca sendo a primeira mulher a dar à luz o seu primeiro filho, que recebeu o nome de Antônio Maria, em homenagem a Santo Antônio Maria Zaccaria, patrono do hospital e fundador dos barnabitas (como são conhecidos os Clérigos Regulares de São Paulo/CRSP).

Mas somente em 06 de novembro de 1952, foram inaugurados a Maternidade e o Hospital, com o objetivo de trabalhar com a saúde em uma área desprovida desses recursos. O primeiro médico do hospital foi Pascoal Ponttrandolf, que veio de Belém para trabalhar como clínico e cirurgião, de forma intermitente, sem residir em Bragança. A partir de 1954, o hospital começou a formar o seu quadro clínico residente na cidade. Em 1955, chegaram à cidade três médicos italianos, Caetano Scalese, Mário Lordi e Alberto.

E no dia 19 de março de 1955, dedicado na Igreja Católica a São José, esposo de Maria, foi inaugurado oficialmente o Hospital Santo Antônio Maria Zaccaria, hoje parte das Obras Sociais da Diocese de Bragança, que hoje completa 57 anos.

Imagem: Maternidade Nsa. Sra. da Divina Providência e Hospital Santo Antônio Maria Zacaria, em Bragança/PA, no final da década de 1950. Fonte: Acervo IBGE.

terça-feira, 13 de março de 2012

João Paes Ramos (1922-2010): dois anos de saudades!

Hoje, lembramos com muitas saudades de nosso saudoso João Paes Ramos, (*22.08.1922, +13.03.2010), que partiu há dois anos. Ele era pai de Arthur, Cláudia e Socorro e João Murilo, avô e bisavô de tantos outros, mas também o nosso padrasto.
Pai por excelência, em diversas oportunidades João não somente foi uma presença marcante, foi aquele que pôde cumprir a missão de amar, incondicionalmente, a ponto de vir morar entre nós, na casa que escolheu e para onde sempre voltou. Além de tudo isso, foi João quem participou de todas as vitórias de nossa vida, na juvnetude, na profissão e na felicidade que sempre expressava por cada caminho desbravado e por cada conquista desses seus novos "filhos" daqui, Danilo, Dário e Jocelino Filho.
Sua vida foi marcada por desafios, desde a infância com a morte da mãe Raimunda Paes Ramos e a criação junto à família de seu pai Juvenal João de Oliveira aos tempos de maturidade, como marinheiro e como combatente brasileiro na II Guerra Mundial. João era o meu maior patrimônio histórico, com quem desenvolvi uma relação que superou os limites tão efêmeros e frágeis do vínculo genético, mas de amor filial, de admiração, de cuidado e até mesmo de honra e homenagem, pelo muito que fez pelos seus familiares, por nós, por Bragança e pelo Brasil. Nossas conversas, nossos "cafezinhos", nossas tardes e nossos domingos estarão sempre em minha memória e para sempre, guardados com zelo, na minha trajetória, como aquele que amou incondicionalmente.
Com saudades, com muitas saudades, dedico todo o dia de hoje à sua memória, à sua vida em outro plano, à sua presença ainda tão expressiva em tudo perto de nós e em nossa casa. Seu lugar no coração sempre estará reservado e com especial carinho. Agradeço à sua família por nos ter permitido amar João como nosso pai pelos 15 anos que passou junto de nós. Aguardo em Deus o reencontro, quando de novo nos abraçaremos e nos cumprimentaremos... ele com o "meu filho, meu companheiro" (como me chamava) e eu com "meu velho, meu querido" (como eu o chamava).
Um beijo meu velho, um abraço apertado, uma lágrima de saudade e um sorriso de esperança e agradecimento. Amo você para sempre.
Teu companheiro e filho, Dário Benedito Rodrigues

sexta-feira, 9 de março de 2012

Aglomerado TV (Prod. CUFA Filmes RJ) com Prof. Dário Benedito Rodrigues, no quadro Guerreiros e Guerreiras

video

Parabéns, mamãe, hoje e sempre!

Em 09 de março de 1951, nasceu nos Campos de Baixo, em Bragança, a pequena Antonia Maria do Socorro de Aviz Rodrigues, o nome do tamanho da sua grande personalidade.
Filha de Manoel Paes Rodrigues e de Joana Dolores Rodrigues, é a mais velha do segundo matrimônio de meu avô, irmã de 13 irmãos (Benedita, Ana Leopoldina, Benedito Lázaro, José Raimundo, Celina Dioclécia, João Nazaré, Raimundo Mariano, Raimundo Nonato, Paulo Roberto, Maria Alice, Domingos Sávio, Pedro Aurélio e Antonio Zacarias).
Quando da mudança da família para a sede de Bragança, na metade da década de 1950, Socorrinho (como era chamada) foi morar com a família na Travessa A, no início da urbanização do bairro Padre Luiz, uma casa que ficou marcada na sua memória. Viu nascer alguns de seus irmãos e foi cuidadora de vários deles, ajudando em casa.
Morou em Castanhal com sua avó Ana Paes Rodrigues (Dona Nicota), onde conheceu um lugar diferente, que também lembra com carinho até os dias de hoje. Assim, sempre foi uma menina ligada à família, em todos os sentidos.
Como as jovens de sua época, foi criada em moldes diferentes dos dias atuais, com uma expressiva formação religiosa, catequética e cristã católica. Participou da Cruzada Eucarística, das Filhas de Maria, do TLC, do Apostolado da Oração entre outros grupos.
Estudou no Instituto Santa Teresinha, onde concluiu o antigo Curso Ginasial e o Magistério, formando-se professora. Iniciou seus trabalhos em 1978-79 na Escola Padre Luiz Gonzaga. Fez curso de Educação Física pela antiga Escola Superior e atuou nessa área por muitos anos.
Conheceu Jocelino Nonato da Silva em 1974, quando namoraram e vieram a noivar em 30 de maio de 1975, nas Bodas de Prata de seus pais Manoel Baxeira e Joana Rodrigues. Casaram-se na Catedral de Nossa Senhora do Rosário em 06 de dezembro de 1975, abençoados pelo Pe. Luciano Brambilla, amigo de Jocelino.
Tiveram 3 filhos, Danilo Augusto, Dário Benedito e Jocelino Filho.
Jocelino Nonato faleceu em 1984, deixando-a viúva e os filhos órfãos. Socorro conseguiu, como uma brava e íntegra guerreira, educar seus filhos com esforço e encaminhá-los na vida.
Continuou trabalhando, na Escola São Benedito, na Escola Prof. Paixão, na Escola Luiz Paulino Mártires, na Escola Yolanda Chaves, na Escola Argentina Pereira e na 1ª Unidade Regional de Educação, onde mais tempo permaneceu. Aposentou-se em 1999, o mesmo ano em que ganhou, em janeiro, sua única neta, Beatriz Rodrigues.
Após 11 anos viúva, conheceu João Paes Ramos, e casaram-se em 11 de agosto de 1995, na Catedral de Nossa Senhora do Rosário, abençoados pelo então Pe. Ângelo Frós de Sousa. Socorro ganhou outra família, com Arthur, Socorro e Cláudia, com muitos outros junto. E soube zelar também por essa família que conquistou.
João Paes Ramos faleceu em 2010 e Socorro, viúva pela segunda vez. O sofrimento a fez chorar muito e a sentir, como até hoje, as saudades e a solidão. Mas não foi suficiente para apagar o brilho dos seus olhos, a destruir sua fé e sua perseverança e a tirar-lhe o sorriso. Seus filhos estão junto dela sempre, e ela com eles formam a sua família (que nem todo mundo queria, mas a que Deus permitiu).
Completou 60 anos e hoje 60+1. Esta, resumidamente, Socorro é a minha Socorro, a minha mãe, o meu maior amor e o presente mais precioso que Deus me deu. Sem ela, eu não poderia ter sido tudo isso, nem tido a sorte de estar aqui desse jeito, nem nada... minha mãe é uma mulher impressionante, do seu jeito, com as suas caaracterísticas e posicionamentos, diferentes às vezes, mas únicos e verdadeiros.
Hoje, tudo é dela! Meu amor (de todo o sempre!), minha alegria (mais ainda!), minha gratidão (mais que ontem!), meu abraço (mais apertado!), minha vida (que já é mais dela do que minha!)
Parabéns mamãe, hoje e sempre! Teu Dário Benedito Rodrigues.

À Fernanda, in memoriam...

À Fernanda, in memorian

Saudades... ah, muitas saudades.

Palavra que só nós, em português, conhecemos. Que só nós, que a falamos e a sentimos, podemos entender o quanto é. Fernando Pessoa dizia isso. E hoje, a usamos para dizer que temos e teremos muitas saudades de outra Fernanda, a nossa Fernandinha.

Dos tempos da infância aos tempos da maturidade, abruptamente interrompida, Fernanda, nos deixa uma lembrança de exatos 35 anos, vividos até ontem, em Belém, quando Deus a colheu do seu jardim humano, para enfeitar, com o seu sorriso inconteste, o jardim do céu.

Fernanda era uma mulher bastante extrovertida, alegre, filha presente, mãe zelosa de Gabriel, de Amanda e de Manoela, com seu esposo Joelber, amiga de muitas horas de tantos aqui presentes.

Comigo estudou, mas com tantos dançou, desfilou, brincou, jogou... fez de tudo um pouco, do colégio à praça, de casa à Igreja, do trabalho ao lazer, sempre com carinho, charme e elegância, que eram características de sua vida terrena e, como falei, nos reservarão ainda uma lágrima de saudades e um sorriso do breve tempo.

Era bastante devotada a todos os seus, à sua família, aos amigos, à vida social e à Igreja. Devota de São Benedito, era maruja e fez do seu filho Gabriel uma testemunha dessa devoção, como juiz da Festa de 2007. E hoje, Fernanda, aqui neste templo dedicado ao glorioso padroeiro, nós nos despedimos de você, já com saudades.

Para você, é um momento de especial renovação, porque Deus, na sua infinita sabedoria, deu à natureza, a capacidade de desabrochar a cada nova estação e a nós a capacidade de recomeçar apesar de tudo, apesar da dor, apesar da partida, pois nós cremos firmemente na Ressurreição.

Muitos aqui, como eu, não puderam te dar aquele abraço no teu aniversário há 5 dias atrás, nem puderam com você sorrir por novos motivos e até se emocionar por outros. Você fez isso para nós, e nos deixará de presente a memória, o eterno. Por isso, somos gratos a Deus por nos permitir ganhar, nós mesmos, o seu presente, a sua linda passagem por aqui, rápida, mas intensa.

E o amor? Ah... o amor... para nós devia ser sagrado como o pão de cada dia, devia ser necessário como o infinito amor de Deus, devia ser o sangue e o suor de nosso corpo, devia ser o sal da lágrima e o gesto do sorriso. Mas, é assim! O amor é para sempre. E por esse amor, te guardaremos no caixa forte, naquele que só a gente sabe como entrar, naquele onde a sua lembrança estará guardada perfeitamente, bela como eras, onde podemos, quando quisermos, te encontrar a qualquer momento e matar a saudade que agora nos aflige... Aqui, Fernanda, no coração.

A você, Fernanda, que gerou a vida em sua plenitude, e nos deu lições de como encará-la com dignidade e perseverança, mesmo com os dissabores, não bastaria um simples obrigado. A você, Fernanda, esposa, filha e mãe por natureza, por opção e por amor, não bastaria dizer que não temos palavras para agradecer tudo isso, pois o que acontece agora é a procura árdua por uma forma verbal de exprimir essa emoção ímpar.

A você, Fernanda, nosso sorriso envolto em centenas de lágrimas, não pela perda, mas pela saudade, não pela tristeza, mas pela fé na Ressurreição, não pela partida, mas pela vida que te escolheu para virar algo entre o eterno e o efêmero, entre o passageiro das coisas humanas e o infinito das coisas de Deus e de viver a partir de hoje sem você. Ficará em nós uma grande saudade de tudo da Fernanda, de cada depoimento, de cada encontro, de cada sorriso largo, de cada alegria sua que se transformava em nossa alegria e a certeza do reencontro em breve.

Cada um de nós guardará sua memória e a sua passagem e lutaremos até o fim, como bravos guerreiros, seguindo o seu exemplo de perseverança, de luta, de garra, de fé e de uma grande filha, mãe, esposa e amiga. A morte, para nós cristãos, não é nada, pois quando existimos de verdade, não existe morte. Só existe morte quando deixamos de existir e você existe entre nós. Estás aqui entre nós, amparada pelos firmes braços maternos de Maria e com o terno abraço de São Benedito, acolhida por Jesus, vivo, aqui, perto de nós!

Você se tornará um pouco de todos os que conheceu, um pouco dos lugares onde foi, um pouco das coisas que compartilhou, mas muito de toda a saudade que nos deixa e muito das coisas que amou, entre tantas que conquistou e até mesmo das que perdeu.

E como nos disse Pablo Neruda, “só uma pessoa no mundo deseja sentir saudades: aquela que nunca amou”. E nós, minha querida, te amamos e te amaremos para sempre, pois a casa da saudade é a memória, uma cabana pequenina, a um passo do coração.

Descanse em paz, um beijo no coração e até um dia!

Dário Benedito Rodrigues, 08 de março de 2012

quarta-feira, 7 de março de 2012

Fernanda Melíssa Ferreira da Silva (*03.03.1977, +07.03.2012)

Com muito pesar registro minha tristeza pela partida de minha amiga de infância e colega do IST, a querida Fernanda Melíssia Ferreira da Silva (*03.03.1977, +07.03.2012), aos 35 anos, ocorrido hoje em Belém.

Fernanda era uma mulher bastante extrovertida, alegre, mãe zelosa, esposa carinhosa, amiga de muitas horas. Estudou, dançou, desfilou, brincou, jogou... fez de tudo um pouco no colégio, sempre com seu carinho, seu charme e sua elegância.

Era bastante devotada a todos os seus, à sua família, aos amigos, à vida social e à Igreja. Devota de São Benedito, era maruja e fez do seu filho Gabriel juiz da Festa de 2007.

Ficará em nós uma grande saudade de tudo da Fernanda, de cada depoimento, de cada sorriso largo, de cada alegria sua (que se transformava em nossa alegria) e a certeza do reencontro em breve.

Cada um de nós guardará sua memória e sua passagem e lutaremos até o fim, como guerreiros, seguindo o seu exemplo de perseverança, de luta, de garra, de fé e de uma grande filha, mãe, esposa e amiga.

Que o Senhor Deus em sua misericórdia infinita te receba e nos dê o consolo pela sua partida. À sua mãe, Zarita, a seu esposo Joelber, aos seus filhos, aos seus irmãos, à sua sogra e a seus amigos, nossas orações consternadas e nosso apoio nesse momento de dor irreparável. Nós cremos na Ressurreição! Descanse em paz, minha querida! Até um dia!

Saudades. Do seu amigo, Dário Benedito Rodrigues & Família.

sábado, 3 de março de 2012

Notícia no Jornal O Liberal sobre Reforma de Escolas Estaduais em Prédios Históricos (de 03.03.2012)

PROGRAMA VAI RESTAURAR ESCOLAS ESTADUAIS

REFORMA

A "Barão do Rio Branco" será a primeira das 14 que serão recuperadas

Em meio aos festejos do centenário da Escola Estadual Barão do Rio Branco, o governador do Estado, Simão Jatene, lançou na manhã de ontem, o programa Mais Saber. Entre os destaques do programa estão a recuperação e restauro da rede física escolar, implantação do sistema de tempo integral nas escolas, melhoria do Ensino Médio por meio de parcerias com fundações, aceleração da aprendizagem para combater a defasagem escolar, além da premiação de servidores e alunos que se destacam na comunidade estudantil. A escola Barão do Rio Branco será a primeira agraciada com a restauração de suas dependências. Somente as reformas custarão aos cofres do Estado cerca de R$ 100 milhões. O secretario de Educação, Cláudio Ribeiro, e o secretário Especial de Promoção Social do Pará, Nilson Pinto, também estiveram no lançamento.

O Mais Saber será coordenado pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), e ainda este ano, cerca de 150 escolas em todo o Pará serão reformadas. "Sabemos que nem todas as escolas serão reformadas este ano, mas não existe solução mágica! Faremos reformas de qualidade, não só pintura de parede. Se conseguirmos reformar pelo menos metade das escolas durante este mandato será um grande passo, o que não podemos é fazer tudo ao mesmo tempo", disse Jatene. A expectativa é que, nos próximos três anos, 600 unidades da rede sejam reestruturadas pelo programa.

A reforma das escolas situadas em prédios históricos é outra das fases do programa. O governador Simão Jatene ressaltou a importância desses locais. "A restauração desta escola tem um significado especial, e será a primeira das quatorze já agendadas. Cuidar da memória é importante, pois quem tem alma, história e memória, tem futuro", disse, sob os aplausos das centenas de estudantes e funcionários presentes na solenidade.

Jatene ressaltou ainda a importância da educação em seu mandato. "É uma prioridade para nós, a Educação, e é um desafio também, pois não podemos ficar só no discurso. Este programa é fruto de uma análise que fizemos em 2011 e definimos, então, as ações que irão mudar de forma estrutural a educação deste Estado", afirmou.

Sobre o programa Mais Saber, o secretário estadual de Educação, Cláudio Ribeiro,comemorou a natureza dos investimentos. "O Estado nunca teve um programa maciço de investimentos na rede como o Mais Saber. Vamos começar com a recuperação e restauro da rede física, mas já garantindo também outras melhorias pedagógicas para a qualidade de trabalho do professor e de aprendizagem do aluno", observou.

CENTENÁRIO

A Escola Estadual Barão do Rio Branco será totalmente reformada com investimento de R$ 1,6 milhão. A comunidade estudantil comemorou os investimentos. O aluno da 6ª série do Ensino Fundamental, Josué dos Santos, de 13 anos, disse que a escola representa uma "segunda casa" e que receber, depois da reforma, uma casa nova, será um grande presente para todos os alunos. "A reforma será muito importante para todos nós, pois aqui temos uma segunda família e uma segunda casa. E ter a sua casa reformada é sempre bom", disse ele.

Fonte: http://www.portalorm.com.br/oliberal (versão eletrônica)

Imagem: Jornal O Liberal, versão impressa, de 03.03.2012